Monatran - Movimento Nacional de Educação no Trânsito

RSS

Enquete

Você aprova a implantação imediata do Transporte Marítimo na Grande Florianópolis?

Artigos

Direitos de mais, deveres…nem tanto!

março/2019 - Rodrigo Vargas de Souza

Minha vida profissional começou bastante cedo e, muitas vezes, seguiu por caminhos um tanto quanto diversificados (digamos assim…). Meu primeiro emprego de carteira assinada foi como “office-boy”. Mas, antes disso já havia tido experiências que iam de cuidador de cães (ou dog sitter, como eu costumava chamar) até atendente em vídeo locadora.

Uma das minhas experiências mais atuais foi no transporte público, como cobrador de ônibus em uma empresa pública de Porto Alegre, na qual trabalhei durante uns quatro anos aproximadamente. Desses, guardo na memória diversas histórias, suficientes para escrever um livro. Uma delas, no entanto, me segue nítida como se tivesse ocorrido ontem, sobretudo quando o assunto gira em torno de direitos e deveres.

Estava eu sentado na minha roleta, naquele que parecia ser mais um dia comum de trabalho. A tabela em questão era em uma linha que, historicamente, é conhecida pela quantidade relativamente grande de idosos que transporta. Isso muito em função dos bairros pelos quais passava. Não raro o ônibus encontrava-se cheio na parte da frente, onde ficam os assentos exclusivos para idosos, gestantes e pessoas com alguma deficiência, mas vazio depois da roleta. Em uma parada, uma senhora de meia idade embarca, caminhando com dificuldade e segurando duas muletas. Ela parecia não ter idade suficiente para utilizar os assentos para idosos, mas pela sua condição física, compreensivelmente, ficou na parte da frente do ônibus. No entanto, pela falta de assentos vagos naquela parte no coletivo, manteve-se de pé, próxima ao motorista, assim como diversos outros passageiros.

Inesperadamente o ônibus para. O motorista puxa o freio estacionário e se põe de pé. “Estragou o ônibus”, pensei. Em tom altivo ele diz: “Pessoal, o negócio é o seguinte: essa senhora aqui embarcou no ônibus e veio me dizer que passou por uma cirurgia e que não pode ficar de pé. Mas eu expliquei que o ônibus tá cheio, que se ela quisesse se sentar, que podia passar a roleta que tinha mais assentos no fundo do ônibus. Mas ela diz que não pode fazer esforço e que se ela cair vai me processar. Então eu não vou seguir viagem! ”

Conclusão da história: quase que instantaneamente diversos passageiros levantaram-se cedendo seus lugares à senhora de muletas. Preocupados, obviamente, muito mais com a continuidade de suas viagens e com o cumprimento de seus compromissos que com o bem estar da senhora ou com a ameaça ao trabalho do motorista. Constrangida, ela limitou-se a agradecer a gentileza e sentar-se sem mais espalhafato.

Esse episódio suscita algumas reflexões, algumas mais razoáveis, outras nem tanto. Mas, dessa vez, antes de emitir as minhas opiniões sobre o fato, queria propor a você, caro leitor, uma dinâmica diferente: gostaria de debater a cerca das SUAS REFLEXÕES.

O que você pensa sobre esse episódio? Acha que o motorista fez certo? Você teria tomado outra atitude? Que implicações a qualidade do transporte público tem sobre acontecimentos como esse?

rodrigo_vargas.jpg

Rodrigo Vargas de Souza
Formado em Psicologia pela Unisinos, atua desde 2009 como Agente de Fiscalização de Trânsito e Transporte na EPTC, órgão Gestor do trânsito na cidade de Porto Alegre.

Leia on-line ou cadastre-se para receber o jornal em sua casa.

Fale Conosco: (48) 3223-4920 | (48) 99981-1015 ou pelo e-mail contato@monatran.org.br.